Porque não devemos esconder chupetas

Porque não devemos esconder chupetas

 

Que atire a primeira mamadeira a mãe que nunca escondeu uma chupeta em casa! A princípio, a ideia parece ser excelente, já que se a criança chorar ou espernear, é só a gente ir até aquele esconderijo secreto e sacar uma providencial chupeta. Ah, que alívio, não? Certamente sim, mas a verdade é que esse é um dos maiores erros que as mães e pais cometem.

 

O ponto de vista da criança

 

Para a criança, a chupeta é uma aliada, algo que entrou em sua vida para lhe trazer conforto. Mas, um dia, nós dizemos a ela que não é mais para usar. Então, é como se a criança pensasse: “Como é que agora você me diz que conforto não é bom?”. Fora isso, há toda a pressão dos familiares sobre a criança. Quando ela vai à casa da avó, a avó fala que ela tem que largar a chupeta. Quando ela vai à casa do tio, acontece a mesma coisa. Frases como “Menino bonito não usa chupeta”, “Você já é uma mocinha, e mocinhas não usam chupeta” passam a pressionar demais a criança. E tudo que evidenciamos chama ainda mais a atenção e, ao contrário de surtir efeito, acaba dificultando ainda mais o processo.

O que devemos ter em mente é que, nessa fase, a criança está pensando o seguinte: “Você precisa fazer com que eu entenda que eu não posso depender desse conforto que eu sinto com a chupeta, e que eu posso encontrar conforto em outras coisas da minha vida. Uma vez que eu entender isso, eu vou ficar sem a chupeta”.

 

O processo de tirar a chupeta

 

Para a criança entender que não precisa mais da chupeta, é interessante utilizarmos algum momento chave de sua vida para concretizar o processo. Podemos, por exemplo, entregar a chupeta para o Papai Noel, para o coelhinho da Páscoa ou mesmo vincular o adeus à comemoração do aniversário da criança. É importante que o processo simbolize um ritual de passagem, pois fica muito mais concreto para as crianças e a maioria delas se convence. No entanto, o maior problema são… as mães!

 

 

O papel das mães

 

Muitas vezes, durante o processo de tirar chupeta, as mães têm medo que a criança chore, que peça a chupeta, e escondem várias pela casa. Assim, na hora que o filho dá um chilique, está lá a chupeta para trazer novamente a paz tão desejada. Então, em primeiro lugar, as mães precisam entender que a criança vai aprender a viver sem a chupeta, que pela primeira vez ela está conseguindo compreender o que é não depender da mesma. Conforme essa criança for crescendo, ela vai ter que se livrar de muitas outras coisas também, então não podemos seguir dando bengalas a ela. E é justamente isso que fazemos quando colocamos em prática o feitiço de aparição da chupeta!

Esteja certa de que a criança vai chorar, no máximo, por uma semana. Depois disso, ela vai se lembrar da chupeta de vez em quando, vai falar sobre a chupeta, mas não será mais um drama. As mães precisam entender que esse processo é necessário e natural, mesmo parecendo um sofrimento sem igual para a criança. É importante termos a consciência de que choro não é igual a sofrimento, que 80% do choro é birra. O sofrimento maior acaba sendo o das mães.

Por isso, não esconda chupetas porque você já fez a previsão de que uma hecatombe sem igual irá se abater sobre sua casa. Vai ser bem menos complicado do que você imagina!

 

 

Para esse artigo, o #MCP teve a consultoria da psicóloga Andressa Maradei, responsável pelo Welcome Baby, método de trabalho que auxilia pais e mães na adaptação e desenvolvimento de seus papéis.

 

 

VEJA TAMBÉM:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *