Grandes mentirinhas para mamães

Por Patricia Travassos

Sobre a série Big Little Lies – HBO

 

Imagine que você e três outras mães da escola do seu filho se aproximassem. Quem você gostaria de “ser”? Reese Witherspoon, Nicole Kidman, Shailene Woodley ou Laura Dern? Ah, tem ainda a charmosa Zoe Kravitz, mas ela tem uma atuação menos importante que as outras… Todas são lindas, ricas, mas como dizia minha avó, por trás das aparências, todos têm problemas, sem exceção. É um alento perceber que nossas emoções, neuras e mágoas podem não ser só nossas. 

Big Little Lies começa com um assassinato. Não se sabe a vítima, nem mesmo quem matou. E as cenas privadas da vida das mulheres servem apenas para construir as tensões que levam ao tal crime. Mas, muito além de nos ajudar a desvendar o mistério, elas revelam altos e baixos familiares tão corriqueiros quanto profundos…exatamente como o movimento da maré que embeleza a fotografia da série. A trilha sonora é uma narrativa a parte. Sugere climas tão variados quanto o humor das mulheres – merece ser baixada no Spotify.

Ok, admito que sentar para escrever esse texto agora é uma daquelas técnicas de procrastinação. Para adiar o fim da série Big Little Lies, faço pipoca entre um episódio e outro, leio um capítulo do livro da Rita Lee…  Só então avanço para o próximo. O problema é que agora falta ver apenas o último episódio e, com pena que acabe, aproveito para dar essa dica de “entretenimento em casa” com direito a choques de realidade,  violência, abuso sexual, traição e bullying – do começo ao fim.

Trata-se de uma única temporada com sete episódios, disponível gratuitamente no Now, em séries da HBO. Durante as sonequinhas do seu filho no fim de semana, dá para emendar uns dois seguidos. Quando ele acordar, não tente seguir assistindo. Embora a série se passe numa pacata cidade de praia, na Califórnia, ela traz cenas fortes para menores e sutilezas que podem se perder caso você divida sua atenção. Aproveite as pausas para uma boa reflexão sobre o feminino e suas expectativas, traumas e frustrações sobre relacionamentos familiares, amorosos, profissionais e sociais. Pronto, já chega de pausa! Vou lá conferir se minhas suspeitas se confirmam e aceitar que certas coisas boas da vida inevitavelmente têm fim.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *