Gol contra de Marcos Mion?

Palpites e julgamentos da maternidade – Marcos Mion

Depois do futebol (ou seria antes?), a maternidade é a campeã nacional de palpites. Todo mundo tem uma opinião sobre tudo o que as famílias enfrentam na criação e educação dos seus filhos. E assim como qualquer torcedor tem certeza absoluta de que tomaria decisões melhores que o técnico do time, todo mundo questiona as estratégias adotadas pelas mãe (e pais) nos desafios que as crianças impõem diariamente. Quando os pais em questão são famosos, então, sai de baixo!

 

 

O apresentador Marcos Mion e a família tiraram férias e viajaram para Paris. Porém, o filho autista não foi escalado para a viagem que teve direito até a foto ao lado do craque Neymar. Choveu crítica nas redes sociais. Cá entre nós, alguém tem alguma coisa a ver com isso? Alguém vive o dia a dia da família para tentar entender suas razões? Bom, o cara teve que se defender para revistas de fofoca e deu entrevista até para a Veja. Ok, ele é uma pessoa pública, vive de sua exposição na mídia e, depois de tantos anos de fama, já deve ter se acostumado com comentários de estranhos sobre sua intimidade.

 

 

Eu, particularmente, não entendo esse “fenômeno”. Não o dos artistas se exporem nas redes sociais…faz parte do show em tempos de Instagram, Facebook e Snapchat. Mas daí às pessoas perderem seu tempo comentando! Uma coisa é falar sobre o desempenho profissional da celebridade, questionar a qualidade do programa que apresenta. Outra, bem diferente, é atacar sua vida pessoal. A única explicação é que os “seguidores” acham a vida dos outros tão mais interessante que as deles que, de alguma forma, sentem necessidade de participar das escolhas e decisões de seus ídolos.

 

 

Aí, eu fico pensando, essa seria uma ótima oportunidade para o “grande público” aprender um pouco sobre o que é ter um filho especial e o que pode ser melhor para ele, para os irmãos e para família como um todo. Mas, não me parece que a intenção de ninguém seja aprender com o outro, nem se aprofundar sobre a realidade do autismo, não é? Nessa hora em que o assunto começa a ficar sério e pesado, os fãs preferem virar a página e seguir para a próxima fofoca.

 

 

O que vocês acham? Dêem a opinião de vocês e compartilhem como vocês reagem aos eternos palpites e julgamentos da maternidade.

 

 

 

VEJA TAMBÉM:

O que esperar do primeiro ano de vida de um bebê?

Mais um conto triste de museu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *