As férias só melhoram, garanto!

Acreditem se quiser…

Foram alguns anos revendo o conceito de férias. Pra quem, gente? Quando os filhos não estão na escola parece que o dia tem 200 horas, que nenhuma criatividade é suficiente para crianças sempre descansadas (ah que falta as aulas de educação física fazem!) e o pior, férias escolares nada têm a ver com férias de quem tá fora da escola há anos como a gente, certo?

 

Mas aí o tempo passa, bebês crescem e viram crianças promovidas a companheiras de viagem. Sim, se você lê meu texto num momento de rara pausa nesse janeiro que não termina nunca ( se tem filhos pequenos aposto que tá no banheiro e já estão mexendo na maçaneta) trago palavras de esperança.

 

Já tinha até escrito sobre o assunto nas últimas férias nesta crônica O dia em que as minhas filhas entraram em férias cheia de otimismo e reforço a teoria de que, na prática, tudo melhora. Nestas férias tenho conseguido até ler um livro sem tantas interrupções (em uma semana cheguei na página 124!!!!) e teclo esta crônica no bloco de notas do meu celular enquanto as meninas dormem no banco de trás.

 

Cadê o “tá chegando, mamãe”? “Quero fazer xixi” (15 minutos depois da última parada no posto de gasolina bizarro da estrada) ou o “tô com fome” (voz doce), “quero comer”( voz alterada) e “não aguento mais esperar”( choro faminto). E olha que já foram 800 quilômetros rodados num sobe e desce montanha, abre e fecha mala, num frio do cão e com exceção do zoológico ontem, programas mais adultos do que infantis. Raridade nas férias de pais e mães.

 

Mas claro que além da idade das meninas, tenho uns segredinhos que dão uma força para que eu também me sinta de férias:

 

. Levo algumas garrafas de vinho ou latas de cerveja para aquele relax (se beber não dirija, claro!)

 

. Nao esqueço os fones do meu celular. Assim escuto minha trilha predileta (inclui Havana, desculpa), as meninas assistem filminhos quando quero um pouco de sossego e vemos algo juntas também ( sabe lá se vamos ter tv no quarto?)

 

. Se tenho companhia ( agora estou viajando com meu marido) fazemos o pacto do revezamento.Enquanto um dá uma volta na praia o outro faz castelos; mas vale o cochilo de um enquanto o outro fica na piscina, um joga pebolim e o outro confere o Face e por aí vai

 

. Tenho sempre um biscoitinho na bolsa, um remédio para enjoo e um casaco no carro

 

Quando lembro ( ou Manu me lembra) trago um rolo de papel higiênico particular (lembra do posto bizarro da parada?)

 

. Libero o Oreo logo no café da manhã em algumas manhãs, claro!( férias, gente significa certas subversões e menos estresse)Mando ver na Nutella com as crianças. Ai que sonho! Regimes também precisam de pausa, certo?

 

Mando ver na Nutella com as crianças. Ai que sonho! Regimes também precisam de pausa, certo?

 

.  Aproveito pra acordar as meninas com beijos demorados e não cobro cabelos penteados (nem os meus!)

 

.  Me preparo psicologicamente, afinal, férias com filhos a balada é outra e muitas vezes inclui dormir cedo e acordar mais cedo ainda, mas nada que me impeça de botar as crianças na cama e abrir aquele vinho ou a latinha de cerveja em seguida pra celebrar que as férias só melhoram,garanto!

 

 

Outros textos de Michelle Póvoa Dufour

Acesse nosso site: www.maecomprosa.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *