ALERTA NA MADRUGADA: tem um nenê procurando a minha cama!

Como ajudar a criança a não ir para a cama dos pais durante a noite?

 

Ah, a liberdade! Passamos a infância toda esperando ela chegar, e no pós maternidade esperando ela voltar… hahaha

 

Na primeira infância, a liberdade começa com os primeiros passos e ganha um upgrade quando o berço é trocado pela cama. Quase um grito de liberdade! Vida inteligente na madrugada, assim vem sendo aqui em casa.

 

Quando a Iara passou a dormir na caminha, perto dos dois anos, seu hábito de sono mudou completamente. Aquela bebê que quase nunca acordava durante a noite, de repente, passou a fazer de duas a três rondas noturnas. Isso quando não vem com susto junto, até já escrevi sobre isso.

A foto de capa foi numa dessas vezes (acho que ela estava com tanto sono, que não conseguiu chegar até a cama).

 

Passados seis meses dessa nova liberdade, Iara continua acordando pelo menos uma vez toda madrugada, mas agora ela resolveu desencanar da cama dela e se espremer entre a gente – e no lugar mais esdrúxulo possível. Sabe quando a gente dorme com as pernas meio abertas, tipo tesoura? Vire e mexe sinto algo desconfortável e acordo incomodada… Quando vejo, tem uma criança no meio das minhas pernas! O problema é que eu e o pai dela nos mexemos bastante, por isso, o medo de uma possível joelhada vem nos tirando o sono.

 

Mas como ajudar a criança a não ir para a cama dos pais durante a noite?

 

Em uma dessas gratas reuniões profissionais, fiz essa pergunta para a consultora do sono Sônia Sertório, que já virou minha parceira aqui no Mãe Com Prosa.

 

Ela me deu cinco toques:

 

1) A primeira dica pode parecer óbvia, mas é tipo um mantra que a gente NUNCA deve esquecer na vida pós filhos: muita paciência! E nesse caso, persistência para mudar o hábito.

 

2) Checar se o ambiente está propício para o sono contínuo (presença de pernilongo ou criança sentindo frio/calor, por exemplo).

 

3) Esse toque foi esclarecedor! Segundo a Sônia, muitas vezes os bebês são colocados para dormir e os pais ficam acariciando, ninando ou oferecem peito ou mamadeira para que ocorra o relaxamento e a entrada no sono. Qual o lado ruim disso? A criança não aprende a relaxar por si só e geralmente apresenta despertares durante a noite – aí ela vai para a cama dos pais em busca desse mesmo relaxamento para retornar ao sono. Por isso é importante ensinar a criança a relaxar sozinha.

 

 

4) Não usar televisão ou tablet duas horas antes de entrar no sono. Como a gente já sabe, mas sempre vale lembrar, esses aparelhos são estimulantes e aumentam muito a possibilidade dos despertares noturnos.

 

5) Observar o ritmo da criança e respeitar o ciclo circadiano, ou seja, não fazer a entrada no sono muito tardiamente. A criança não pode seguir o ritmo noturno dos pais e precisa de mais tempo de descanso.

 

Quando recebi essas dicas, percebi claramente que o meu erro é o item 3! Acostumei a Iara com uma massaginha nas costas e isso virou regra pra dormir.

 

Mas como ensinar a criança a relaxar sozinha?

 

Segundo nossa consultora do sono, com segurança e tranquilidade podemos retirar esse tipo de hábito aos poucos, criando um novo ritual do sono. No meu caso. uma ideia que me ocorreu é sugerir que ela mesma faça essa “massaginha” em um de seus bichinhos de pelúcia.

Depois eu conto se deu certo 😉

 

Obrigada mais uma vez, Sônia!

 

 

Sônia Sertório é mestre em enfermagem obstétrica e já atuou em grandes hospitais, como o São Luiz e o Albert Einstein. Sempre interessada nos assuntos pós-parto, se tornou especialista em amamentação e sono infantil – os maiores dilemas do início da maternidade.

 

Outros textos de Renata Bianchi

Acesse nosso site: www.maecomprosa.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *